quinta-feira, 11 de maio de 2017

AMOR VIRTUAL

SOMOS PERSONAGENS NESTA TELA


Não estamos aqui por qualquer outro motivo que não seja o medo.
É verdade, depois de viver quase que uma vida inteira, descobrimos que tememos o amor.

Já não temos coragem de olhar fundo e verdadeiramente nos olhos de outro alguém. Por isso estamos aqui, procurando um amor virtual.

Aqui a dor não nos ameaça, nem o sofrimento ou a desilusão, pois não existe a maciez do toque, não existem carícias, nem o cheiro da pele, ou o suor do amor feito, nem o sabor inebriante ou a dor inevitável do sexo, não existe o brilho do olhar.

Aqui é onde podemos encontrar outros iguais a nós que vivem da fantasia de um amor perfeito atrás da tela morta e imóvel.

Aqui damos vazão às nossas fantasias.

Aqui não importa a verdade, mesmo que ela nos intrigue, não importa a sinceridade dos sentimentos.

Aqui jamais seremos presos por um cadeado de carne.

Aqui seremos apenas cada um de nós, com os sonhos que nós mesmos sonhamos, com a ilusão que nós mesmos criamos. E ninguém jamais saberá se somos verdade ou personagens de um teatro imaginário.

Aqui ninguém arrancará nossas máscaras, e com elas a nossa pele. Não sangramos, mas a realidade ri de nós como uma velha... sem dentes; que se compraz no nosso medo, e não conseguimos ver o quanto a velha é feia em sua gargalhada estridente.

Quando vem o dia nossa vida corre sem atribulações, não é necessária a espera, ninguém disse que chegaria.

Quando vem a noite estamos sós, mas basta fechar os olhos e dar vazão a emoção de imaginar o amor.

Aqui sentimos o prazer, vemos alguém que foi traduzido por uma foto, e algumas palavras escritas. 


Encontramos com nosso parceiro virtual e nesse quase funeral do amor, nosso luto é a saudade de um tempo em que não existia o medo, e saudade... Saudade não tem cor. 

Madu Dumont